segunda-feira, 20 de março de 2017

Mentiras que minha mãe me contou

O que há de errado em essas capas serem quase idênticas?
(Traduzido de The Wachtower Study) O objetivo deste artigo é testar a honestidade da Sociedade Torre de Vigia à base de numerosas declarações feitas em suas publicações. Mas consideremos primeiro o seguinte conselho de "Mãe":
Sabendo disso, o que fará você, leitor? É evidente que o verdadeiro Deus, sendo “Deus da verdade” e odiando a mentira, não considerará com favor os que se apegam a organizações que ensinam a falsidade. (Salmo 31:5; Provérbios 6:16-19; Revelação 21:8) Realmente, gostaria mesmo de se associar com uma religião que não o tratou com honestidade? (É esta vida tudo o que há? Página 46).
Com esta noção em mente, considere as seguintes declarações:

Caso 1
O livro levanta então a pergunta lógica: “É razoável supor que a religião a nós imposta por ocasião do nosso nascimento é necessariamente a inteira verdade?” Incentiva-se assim a todos a examinar outras religiões com mente aberta (A Sentinela de 1º de abril de 1991, página 17).
Um sentimento muito elevado de "Mãe" - mas quão verdadeiro é isso?
Por que se recusam as Testemunhas de Jeová a trocar seus compêndios bíblicos por publicações religiosas das pessoas que contatam?[...] Seria imprudente, bem como um desperdício de tempo precioso, as Testemunhas de Jeová aceitarem publicações religiosas falsas, que visam enganar [...] Portanto, é por usar de sabedoria e de respeito para com o conselho de Deus que as Testemunhas de Jeová não têm por hábito trocar valiosos compêndios bíblicos, que contêm a verdade da Bíblia, por publicações religiosas que disseminam o erro ou conceitos apóstatas (A Sentinela de 1 de novembro de 1984, página 32).
Não soa muito “mente aberta” para mim.

Caso 2
As Testemunhas de Jeová formam uma sociedade internacional e provam além de dúvida que o ódio pode ser eliminado [...] Trata-se de um vislumbre do programa mundial para eliminar o ódio e suas causas (A Sentinela de 15 de junho de 1995, página 8).
Prova viva de que pode ser abolido o ódio? Parece ótimo. Só não tente deixar a organização:
[A quem deixa a organização] devemos odiar no sentido mais verdadeiro, que é considerar com extrema aversão, como repugnante, odioso, sujo, detestável. (A Sentinela de 1º de outubro de 1952, em inglês, página 599)
É realmente uma maravilha ver como eles planejam 'eliminar o ódio e suas causas’.

Caso 3
As Testemunhas de Jeová, devido ao seu anseio pela segunda vinda de Jesus, sugeriram datas que se mostraram incorretas. Por isso, há quem as chame de falsos profetas. No entanto, nunca nesses casos presumiram que suas predições eram feitas ‘no nome de Jeová (Despertai! de 22 de março de 1993).
Eles nunca disseram “Estas são as palavras de Jeová"; sério?!
A palavra profética de Jeová mediante Cristo Jesus diz: ”Esta geração [de 1914] de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram.” (Lucas 21:32) E Jeová, que é a fonte de profecias inspiradas e infalíveis, fará com que as palavras de seu Filho se cumpram (A Sentinela de 15 de novembro de 1984, página 11).
Durante anos, um dos princípios fundamentais da religião das Testemunhas de Jeová foi o da "geração de 1914". A organização ensinou que a geração de pessoas que viviam durante o ano de 1914 e que tinham idade suficiente para discernir os eventos daquele ano, ainda estaria viva (isto é, não ‘passaria’, Lucas 21:32) – quando o Armagedom chegasse. Eventualmente, depois de esticar uma geração ao seu comprimento máximo concebível, os líderes das Testemunhas finalmente abandonaram completamente a doutrina - mas não antes de fixar suas falsas profecias sobre Deus e Jesus Cristo muitas, muitas vezes.


Caso 4

Precisamos examinar, não só o que acreditamos pessoalmente, mas também o que é ensinado por qualquer organização religiosa com a qual possamos estar associados. Seus ensinamentos estão em plena harmonia com a Palavra de Deus, ou eles são baseados nas tradições do homem? Se somos amantes da verdade, não há nada a temer de tal exame (A Verdade que Conduz à Vida Eterna, página 13, em inglês).

Eu acho que o que eles queria dizer era: examinar qualquer organização religiosa, exceto as Testemunhas de Jeová.

Os discípulos de Jesus escreveram muitas cartas às congregações cristãs, àqueles que já estavam no “caminho da verdade”. Mas em parte alguma lemos que esses irmãos primeiro examinavam com cepticismo as Escrituras, para certificar-se de que essas cartas tinham apoio bíblico e que os escritores realmente sabiam de que estavam falando. (A Sentinela de 15 de agosto de 1981, página 19).
Mas na organização de Jeová não é necessário gastar muito tempo e energia na pesquisa, pois há irmãos na organização que são designados para fazer exatamente isso; para ajudar os que não têm tanto tempo, estes irmãos preparam bons artigos para A Sentinela e outras publicações da Sociedade Torre de Vigia (A Sentinela de 1º de junho de 1967, página 338, em inglês).
Se tivermos amor por Jeová e Sua organização, não suspeitaremos, mas, como diz a Bíblia, ‘acreditamos em todas as coisas’, todas as coisas que a Torre de Vigia diz, tanto quanto ela tem sido fiel ao nos dar conhecimento dos propósitos de Deus ... (Qualificados para ser Ministros, edição de 1955, em inglês, página 156).
Depois de sermos nutridos à nossa força espiritual e à nossa maturidade, de repente nos tornamos mais espertos do que o nosso antigo provedor e abandonamos a orientação esclarecedora da organização que nos protege? "Não abandones a lei de tua mãe” (A Sentinela de 1º de fevereiro de 1952, página 80, em inglês).

É realmente incrível. Nenhum exame necessário. Não "verificar as escrituras". Não há necessidade de "gastar tempo e energia na investigação". Apenas ‘acredite em todas as coisas que a Torre de Vigia publica’. Bem, isso é o que a Bíblia diz ... não é?


Caso 5

O que você acha de um homem que copia artigos de uma revista e os publica em outra? O que você acha de ele atribuir a si a autoria dos artigos roubados? O que você acha dele se ele continua a fazer isso mesmo depois que foi flagrado e prometeu parar? Não seria mais chocante ainda se ele admite que é um ministro religioso? (A Sentinela de 15 de janeiro de 1954, página 38).
Isso é interessante. Esta citação vem de um artigo da Torre de Vigia intitulado "Você respeita plagiadores?”,  onde a Sociedade Torre de Vigia relaciona acusações de plágio com um ministro religioso. Ironicamente provou-se mais tarde que a própria Torre de Vigia cometeu crime de plágio ao roubar material de arte da Johnny Walker Red Label Scotch. Clique aqui para ver todos os detalhes sórdidos.


Caso 6

Por que, então, as nações não reconhecem e aceitam a aproximação do clímax deste julgamento? É porque não ouviram a propaganda mundial do retorno de Cristo e sua segunda presença. Desde muito antes da Primeira Guerra Mundial, as Testemunhas de Jeová apontaram para 1914 como o momento para este grande evento acontecer (A Sentinela de 15 de junho de 1954, em inglês, página 370).

Aqui temos uma das mentiras favoritas da organização Torre de Vigia - que antes do ano de 1914, a Sociedade Torre de Vigia estava apontando para aquele ano como a data para o retorno e "segunda presença" de Cristo. A Sociedade Torre de Vigia atualmente ensina que Jesus Cristo retornou invisivelmente em 1914, e eles querem desesperadamente que a sociedade acredite que a organização estava antecipando (e de fato, previu) esse suposto retorno. No entanto, nada poderia estar mais longe da verdade. A Sociedade Torre de Vigia originalmente ensinou que Jesus Cristo retornou invisivelmente em 1874 – não em 1914. (E só alterou isso depois do fracassado retorno visível de Cristo em 1874, que eles estavam antecipando). Não apenas eles ensinavam isso “antes da Primeira Guerra”, mas também depois, como mostra a seguinte citação de uma A Sentinela de 1922:

A profecia bíblica mostra que o Senhor devia aparecer pela segunda vez no ano de 1874. A profecia cumprida mostra além de dúvida que ele apareceu em 1874. A profecia cumprida é demostrada por fatos físicos; e esses fatos são indiscutíveis. (A Sentinela de 1 de novembro de 1922, em inglês, página 333).

Como essa citação demonstra, a declaração anterior da revista A Sentinela  de 1954 é uma mentira absoluta.


Caso 7
Já em 1879, os editores desta revista apontavam para o ano de 1914 como ano marcado na profecia bíblica, como o ponto inicial do que a Bíblia chama de “o tempo do fim”. (Despertai! de 22 de abril de 1973, página 15).
Semelhante ao caso 6, acima. Aqui a reivindicação é que, "já em 1879", a Sociedade Torre de Vigia apontou para o ano de 1914 como o "ponto de partida" para o "tempo do fim". Novamente, um exame das publicações da Torre de Vigia da época em questão revela algo diferente.
Há duas datas importantes aqui que não devemos confundir, mas claramente diferenciar, ou seja, o início do "tempo do fim" e da "presença do Senhor". "O tempo do fim" abrange um período de 1799, como indicado acima, até o momento da extinção total do império de Satanás e do estabelecimento do reino do Messias (A Harpa de Deus, de 1921, em inglês, página 231).
"Já em 1879"? Bem, esta citação vem de uma publicação da Torre de Vigia de 1921 e demonstra que a Sociedade ainda estava ensinando que o ano de 1799 marcou o início do "tempo do fim" - não em 1914. Como tal, a declaração de 1972 é mais uma completa mentira.

Caso 8

Ao longo dos anos 60 e 70, a Sociedade Torre de Vigia costumava se referir a uma tradução da Bíblia feita por um ex-sacerdote católico chamado Johannes Greber. Esta tradução foi usada inúmeras vezes numa tentativa de mostrar apoio "acadêmico" à própria tentativa da Sociedade Torre de Vigia de traduzir as escrituras, a Tradução do Novo Mundo.
A questão é que Johannes Greber alegou que o "mundo espiritual" o guiou em sua tradução da Bíblia. Greber usou um meio espiritual para "transmitir" a tradução "correta". A Sociedade Torre de Vigia afirma ser uma religião baseada na Bíblia e, portanto, professa uma repulsa desta prática; então quando começou a ser divulgado, por antigos membros, que a Sociedade Torre de Vigia estava usando uma tradução "espírita" da Bíblia, as publicações da Torre de Vigia pararam de citar esta tradução. Observe a seguinte declaração, publicada em 1983:
Por que, nos últimos anos, A Sentinela não tem feito uso da tradução feita pelo ex-sacerdote católico, Johannes Greber? Essa tradução foi usada ocasionalmente em apoio de versões de Mateus 27:52, 53, e de João 1:1, conforme vertidos na Tradução do Novo Mundo e em outras traduções conceituadas da Bíblia. Mas, como indicado no prefácio da edição de 1980 de O Novo Testamento (em inglês) de Johannes Greber, esse tradutor confiou no “Mundo Espiritual de Deus” para esclarecer-lhe como deveria traduzir passagens difíceis. Declara-se: “Sua esposa, médium do Mundo Espiritual de Deus, foi muitas vezes o meio usado para a transmissão de respostas corretas da parte dos Mensageiros de Deus para o pastor Greber.” A Sentinela julgou impróprio fazer uso duma tradução que tem tal estreito vínculo com o espiritismo (A Sentinela de 1º de outubro de 1983, página 31).

Caso encerrado, certo? Os líderes da Torre de Vigia tomaram conhecimento do espiritismo de Greber, conforme consta na edição de 1980 de sua tradução do Novo Testamento, e portanto, admiravelmente, deixaram de consultar este livro espírita. Não exatamente. Infelizmente para a organização da Torre de Vigia, eles já haviam reconhecido o espiritismo de Greber quase trinta anos antes:

Não é nenhuma surpresa que um Johannes Greber, um ex-clérigo católico, se tornou um espiritualista e publicou o livro intitulado "Comunicação com o mundo espiritual, suas leis e sua finalidade” (A Sentinela de 1º de outubro de 1955, página 603).
Diz Johannes Greber na introdução de sua tradução do Novo Testamento de 1937: "Eu mesmo era um padre católico e [...] nunca acreditei tanto na possibilidade de se comunicar com o mundo dos espíritos de Deus." No entanto, chegou o dia em que eu involuntariamente dei o meu primeiro passo em direção a essa comunicação” [...] Muito claramente os espíritos em que o ex-padre Greber acredita os ajudaram em sua tradução (A Sentinela de 15 de fevereiro de 1956, página 110, 111).

Sim, os líderes da Torre de Vigia sabiam do espiritismo de Greber desde a introdução à edição de 1937 de sua tradução da Bíblia. No entanto, eles confiaram ne espiritismo dele para apoiar sua própria "tradução" por quase trinta anos (em contraste com sua professa abominação ao espiritismo e em desafio a Deuteronômio 18: 10-12). Eles então tentaram se fazer de ignorantes, alegando que foi somente na edição de 1980 da Bíblia de Greber que ele revelou sua prática de espiritismo.

Se a mentira óbvia desta matéria não é suficiente para convencê-lo da verdadeira natureza da religião da Torre de Vigia, você também pode considerar o seguinte conselho oferecido pelos líderes hipócritas desta religião.
Os 12 livros proféticos acentuam também o quanto Deus deseja que sejamos verídicos nos nossos relacionamentos. Naturalmente, nós nos esforçamos em falar ‘a verdade das boas novas’ a outros. (Colossenses 1:5; 2 Coríntios 4:2; 1 Timóteo 2:4, 7) O que pode ser um desafio, porém, é sempre falar a verdade com a família e os irmãos espirituais na comunicação diária, que envolve uma ampla variedade de assuntos e situações. Por que pode ser um desafio? Quem de nós nunca disse ou fez algo maldoso que depois teve que se explicar? Provavelmente nos sentimos constrangidos ou um tanto culpados. Esses sentimentos podem levar a pessoa a negar o que fez ou a dar uma “explicação” que deturpa a verdade a fim de desculpar o erro ou fazê-lo parecer correto. Ou numa situação embaraçosa talvez sejamos tentados a ocultar certos detalhes para minimizar o erro. Assim, o que dizemos talvez seja essencialmente verdade, mas passa uma impressão bem diferente. Embora não seja uma mentira flagrante, que é comum no mundo de hoje, será que agir assim é realmente ‘falar a verdade cada um com o seu próximo’, ou irmão? (Efésios 4:15, 25; 1 Timóteo 4:1, 2) Quando um cristão diz coisas que no íntimo ele sabe que induz irmãos a uma conclusão errada, ou a crer em algo que realmente não é verdade ou exato, como você acha que Deus encara isso? (Viva Tendo em Mente do Dia de Jeová, página 115).

De fato, como Deus se sente ao ver os líderes da Torre de Vigia intencionalmente levando "irmãos" a uma conclusão errada, levando-os a acreditar em algo que não é realmente verdade? Além disso, como Deus se sente ao ver os líderes da Torre de Vigia hipocritamente aconselhando outros contra as táticas muito desonestas que eles próprios empregam?

Para mais informações sobre a ligação da Torre de Vigia como Johannes Greber, clique aqui e aqui.


Caso 9

Nenhuma criatura ou organização na Terra pode presumir verdadeiramente sentar-se como o tribunal supremo de interpretação da Bíblia sagrada. (A Sentinela de 1º de julho de 1943, em inglês, página 202).

Acima temos a resposta da Torre de Vigia às reivindicações da Igreja Católica Romana. Mas o que dizer da "organização" Torre de Vigia?

Apenas esta organização funciona para o propósito de Jeová e para o seu louvor. Ela é a única para a qual a Palavra Sagrada de Deus, a Bíblia, não é um livro lacrado (A Sentinela de 1º de janeiro de 1974, página 18).
A Bíblia é um livro de organização e pertence à congregação cristã como uma organização, não a indivíduos, independentemente de quão sinceramente eles possam acreditar que podem interpretar a Bíblia. Por esta razão, a Bíblia não pode ser devidamente compreendida sem que se tenha em emente a organização visível de Jeová (A Sentinela de 1º de outubro de 1967, em inglês, página 587).
Todos nós precisamos de ajuda para entender a Bíblia, e não podemos encontrar a orientação bíblica de que precisamos fora da organização [Torre de Vigia]. (A Sentinela de 15 de agosto de 1981, página 19).
Sim, além de ter o espírito de iluminação de Deus, um cristão precisa da organização teocrática de Jeová para entender a Bíblia (A Sentinela de 15 de junho de 1981, em inglês, página 375).
Todos os que desejam entender a Bíblia devem reconhecer que a “grandemente diversificada sabedoria de Deus” só pode ser conhecida através do canal de comunicação de Jeová, o escravo fiel e discreto (A Sentinela de 1º de outubro de 1994, página 8).

Sim, outro belo exemplo da “verdade” da Torre de Vigia.


Como diz a Mãe, “o verdadeiro Deus, que é ele mesmo ‘o Deus da verdade’ e que odeia a mentira, não olhará com gratidão para as pessoas que se apegam a organizações que ensinam falsidade (É Esta Vida Tudo o Que Há?, página 46).E quanto mais quando esta organização mentirosa chega a afirmar que está falando pelo Deus Verdadeiro.

(Esta postagem foi traduzida com a ajuda do Google Tradutor).

Gostaria de conhecer melhor as Testemunhas de Jeová?
Então você precisa ler meu livro
Testemunhas de Jeová – o que elas não lhe contam?

Opções de download aqui

Um comentário:

  1. Olá Lourisvaldo! Muito boa a matéria. É incrível, como as próprias publicações deles os desmascaram! Sempre com a característica arrogância, mas se melecando nas próprias balburdias...Abraços!

    ResponderExcluir