quarta-feira, 24 de junho de 2015

O que leva alguém a deixar de crer que Deus existe?

Símbolo ateu
Há que se dizer que uma criança nasce sem nenhuma consciência da existência de uma autoridade espiritual, que chamamos “deus”. Dependendo de questões geográficas ou da época, essa criança tem grandes chances de crescer e adotar os costumes locais sobre a existência ou não de um deus.

Considerando o mundo ocidental, que geralmente adota como divindade o deus bíblico, a criança, à medida que cresce, vai assimilando a religiosidade desses continentes, ainda que de forma inconsciente. Resultado? Um adulto que crer na existência de uma autoridade espiritual, mas cujas bases para tal crença talvez nunca lhe tenham sido plenamente apresentadas e, logicamente, também nunca sequer submetidas a provas. Apesar disso, bilhões de pessoas passam pela vida sem nunca duvidar da existência desse Deus, e muitos, que porventura venham a se questionar, parece que preferem não dar muita importância à dúvida. No entanto, nos tempos atuais, especialmente em países europeus, é crescente o número de ateus.

Considerando esse crescimento notável, há que se perguntar: o que leva alguém a deixar de crer que Deus existe?

Sobre essa questão, Bertone de Oliveira Sousa postou no seu blog o seguinte artigo: "razões para não crer em Deus(ses)”. A essência do artigo (elaborado por Andrew Zek Williams, colunista dos periódicos ingleses The Humanist, The Independent e Skeptic) é a entrevista com 24 ateus das mais variadas categorias profissionais e todos eles apresentaram razões (1) que os levaram ao ateísmo ou (2) que podem justificar a que alguém se torne ateu.

Dentre todos as entrevistas, cito a seguir alguns trechos que mais me chamaram a atenção. Os sublinhados foram acrescentados por mim.

 Não apenas não acredito em Deus, como estou quase cem por cento certo de que o Deus de Abraão adorado por judeus, cristãos e muçulmanos não existe. Este Deus supostamente desempenha um papel tão importante no universo que deveria haver provas de que ele existe. Não há nada no campo do conhecimento humano que requer algo sobrenatural, nada além da matéria, para descrever nossas observações. Além do mais, a religião é imoral. É ruim para os indivíduos e ruim para a sociedade. (Victor Stenger, físico de partículas).
Que razão eu poderia ter para a crença?
Para me dar esperança de uma vida após a morte? Meus 30 anos de pesquisa parapsicológica jogou fora essa esperança. Para explicar experiências espirituais e místicas extra-corpóreas? Não, nosso conhecimento do funcionamento do cérebro está fornecendo explicações muito melhores do que o raciocínio religioso (Susan Blackmore, psicóloga e autora).
Todas as reivindicações religiosas parecem entrar em curto circuito no processo racional de testes e reunião de evidências e o triste é que muitas pessoas não veem  nenhum problema com isso e até consideram isso uma virtude. É por isso que não basta apenas rejeitar a religião, mas opor-se ativamente a ela em todas as suas formas, pois ela é, fundamentalmente, um veneno para a mente que mina as nossas faculdades críticas (P. Z. Myers, biólogo).
Não acredito em deuses ou deusas porque são obviamente invenções humanas. Moradores do deserto têm deuses severos, austeros; pessoas sofredoras e oprimidas têm deuses amorosos e misericordiosos; agricultores têm deuses da chuva e da fertilidade e nunca conheci um liberal que acredita em um Deus conservador ou um conservador que acredita em um Deus liberal. Tudo o que já ouvi sobre Deus carrega as marcas indeléveis da fabricação humana e através da história podemos explicar como e porquê os inventamos.( Andrew Copson, Diretor executivo da Associação Britânica Humanista).

Uma parte fundamental das argumentações é o conceito de que um deus não é necessário para justificar a existência da natureza, sejam as coisas que nos cercam, animadas e inanimadas, seja o próprio Universo. Quanto a isso, os avanços do conhecimento humano nessa área têm desmistificado muitas coisas; em razão disso, hoje devem ser poucos os povos que ainda adoram o Sol, o trovão, e coisas do tipo. Esse passo rumo às descobertas tem levado muitos a concluir que, com o tempo, o próprio Universo será cada vez mais desacreditado como obra de uma autoridade espiritual.

Mas uma coisa que ficou clara nessas entrevistas é que as justificativas são erguidas sobre um profundo exercício da razão, o que me faz querer saber se as pessoas menos favorecidas nesse quesito estão condenadas a crer em uma autoridade espiritual – considerando que essa autoridade espiritual não exista.

O crescimento do ateísmo na Europa poderia ser uma resposta para futuras gerações. Se levarmos em conta que, logo depois da África, a Europa foi o continente mais antigo a ser povoado, tendo de direito os deuses mais antigos de que se tem conhecimento, seria de se esperar, caso alguns (ou pelo menos um) deuses tivessem legitimidades, que essa legitimidade estivesse cada vez mais consolidada, mas o que vemos é uma tendência em sentido contrario.

Por outro lado, há quem questione as razões que têm elevado o número de ateus em todo o mundo.

Nigel Barber, que é um irlandês Ph.d. em biopsicologia, ele próprio um ateu, relacionou o crescimento do ateísmo com o enriquecimento das nações e a elevação do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Segundo suas próprias palavras: 

“A ideia básica é que as pessoas, ao deixarem a pobreza, ficam menos preocupadas com suas necessidades básicas e com a possibilidade de morrerem precocemente em consequência da violência ou da doença”, escreveu.

“Em outras palavras, elas se sentem mais seguras de sua existência e não precisam recorrer a entidades sobrenaturais para acalmar seus medos e inseguranças.”

Seguindo essa mesma linha, o site BBC Brasil, no fim do ano passado, publicou o seguinte artigo “As religiões vão desaparecer no futuro?”.  Depois de considerar algumas relevantes pesquisas que demonstram o crescimento do ateísmo no mundo, a reportagem acrescentou que as “nações que registram maiores taxas de ateísmo tendem a ser aquelas que oferecem a seus cidadãos uma estabilidade econômica, política e existencial relativamente alta”.

Isso novamente levanta interrogações: considerando que o desenvolvimento econômico geralmente está relacionado a um nível maior de educação, será que o investimento em educação tende a elevar o ateísmo? Isso remete à minha consideração anterior de que os ateus, de modo geral, tem a seu favor um maior uso da razão como suporte à crença de que um deus é desnecessário para explicar e justificar a natureza.

No entanto, caso exista um deus criador, as pessoas menos favorecidas com a capacidade de usar a razão, seja por falta de educação, seja por limitação intelectual, são de fato as favorecidas.

O que quer que seja verdade nisso tudo, há ainda muito que se discutir e muito que se aprender sobre o assunto. Os homens têm adorado muitos deuses desde que começou a deixar rastro neste planeta, e pelo visto, muitos deuses ainda serão adorados por décadas, talvez séculos...

Este artigo foi discutido no fórum Extestemunhasdejeova.net.

14 comentários:

  1. Só o próprio Deus mesmo

    ResponderExcluir
  2. Devemos crer em DEUS em qualquer situação, quando estamos bem agradecer, quando estamos mal pedir ajuda!! Ele é DEUS do impossível!! 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus do impossível porque é impossível Deus existir

      Excluir
    2. trouxas como vc são bem vindos nas igrejas. Um onibus capota dez vivem e dizem ser obra de deus, dez morrem e seus parentes dizem ser a vontade de deus, me de seu dinheiro que prometo triplicar em um mes, mas se eu perder tudo vc aceitará tranquilamente e não me culpará por não cumprir o que te prometi é assim q deus faz

      Excluir
  3. Bom dia.

    Direto ao assunto: quando crescemos tomamos uma plena e total consciência que "deus", é qualquer coisa que nos ensinaram a adorar e a temer.
    Quando observamos que em cada lugar há uma deidade ou mais, começamos a questionar...por que é o meu "deus" que é o verdadeiro?
    Depois analisando que toda a desgraça vem da fé institucionalizada, acabamos por não crer em nenhum, daí o ateísmo.

    Abçs


    Soares

    ResponderExcluir
  4. Creio que esta questão é muito particular. Cada um nasce com uma carga de experiências passadas e com um certo grau de espiritualidade. Tem aqueles que não tem nenhuma, então ele nega a vida inteira a existência de um Ser superior. Mas tem também a influência do meio. Se a família não for espiritualizada, ao entrar na escola ela acaba de se tornar ateu ou atéia.... Na UNESP onde estudei, tinha professores que fazia questão de mostrar que Deus não existe! Aqueles que já tinham uma formação religiosa de casa não se contaminavam, mas quem não tinha, certamente sim!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fica dificil questionar um "deus" que na sorte ou na desgraça está sempre certo e talvez não vivamos para saber pq ele agiu assim ou assado. ´so sei que no passado (onde não estavamos presente para ver)ele milagrosamente salvou judeus. Agora na seg guerra mundial q estámos presentes para ver ele deixou 6 milhoes de judeus irem pro saco, e aí??

      Excluir
  5. Obrigado por sua visita...
    Boas Férias
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Estou muito feliz por ter te encontrado Louro Neves!! rsrs
    Vc pode não se lembrar de mim, mas eu tinha um blog e seguia vc sempre no "LER PODE SER UM PRAZER". Meu blog era o "ATRAVÉS DAS CORES". Acontece que eu perdi aquele blog e tudo que tinha nele, só ficou a conta no blogspot, e tinha umas pessoas que eu gostava muito dos textos, uma delas era vc.
    Nisso eu criei a pouco tempo outro blog e encontrei seu nome na minha antiga antiga lista, mas parece que o blog que vc escrevia e que eu seguia está inativo. Joguei seu nome no google e vim parar aqui. rsrs
    Poxa to muito feliz de voltar a ler seus posts que são ótimos e inspiradores!
    meu novo blog é esse: retratogeo.blogspot.com
    Faça-me uma visita! :)
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Claro que lembro de você, Bee! Que coisa louca, essa busca; achei sensacional. kkkk

    Meu blog foi excluído por mim mesmo, eu estava sem tempo para escrever, dentre outros motivos.

    Muito grato por sua visita.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. hahaha, obrigada pela visita. Pensei que vc não iria se lembrar.
    Aquele seu antigo blog era muito bom, tinha muito texto bom. Mas este novo aqui tbm promete! Estarei sempre passando por aqui. Vc tem perfil no facebook?
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante.
    Bom seguirmos estas reflexões.

    abraço

    ResponderExcluir
  10. Na verdade, observamos a religião também existir e sobreviver em países mais desenvolvidos. Pois para o oposto prometem uma vida melhor, ainda que num futuro próximo, e para os outros, oferece um paraíso espiritual já! Evidentemente pessoas mais esclarecidas, não acreditam facilmente em qualquer história mal contada ou com defeitos estruturais.

    Abs.

    Soares.

    ResponderExcluir
  11. Nunca existiu, nem existem um povo ateu. Porque, hein? Sempre se acreditou num principio criado, em algo a nossa imagem e semelhança, num elo de ligação, algo... Resta uma grande lacuna. Se Deus não existisse precisaria ser inventado.

    ResponderExcluir