sábado, 24 de junho de 2017

"A Torre de Vigia não manda em mim" (Resposta de Gerrit Lösch ao tribunal)

Gerrit Lösch
(Traduzido de JW Survey) A maioria das Testemunhas de Jeová considera a Sociedade da Torre de Vigia como quase sinônimo de "organização de Deus". Como tal, elas devem ser obedientes a todas as instruções transmitidas por ela como se estivessem recebendo essas palavras do próprio Jeová.

Mas pelo menos uma proeminente Testemunha de Jeová agora (8 de novembro de 2014) afirma que ele "não responde à Torre de Vigia", e até declarou que a Torre de Vigia "não tem, e nunca teve, nenhuma autoridade sobre mim". Quem é esse homem corajoso? Nenhum outro além de Gerrit Lösch, membro do Corpo Governante.


Os visitantes regulares deste site recordarão o recente processo em que a Torre de Vigia foi multada em US $13,5 milhões por ter sido considerada conivente nos abuso sofridos por José López às mãos de Gonzalo Campos, que fez múltiplas vítimas em San Diego nos anos 80 e 90, sem que a organização o impedisse.

Uma das razões pelas quais o processo foi tão mal para Torre de Vigia foi devido ao seu não cumprimento das ordens judiciais que solicitavam, entre outras coisas, a que a organização enviasse o seu membro mais importante do, Gerrit Lösch, para depor ao tribunal.

Quando este e outros pedidos razoáveis ​​do tribunal foram categoricamente recusados ​​pela Torre de Vigia, ela teve restrições colocadas sobre si, impedindo-a de responder à evidência apresentada por Irwin Zalkin em nome de López.

Agora, a "declaração" pessoal de Gerrit Lösch, na qual ele apresenta os motivos para recusar o pedido do tribunal, foi disponibilizada on-line. O documento assinado de três páginas pode ser acessado abaixo. (NOTA: infelizmente o arquivo não está mais acessível no link indicado, mas uma cópia traduzida do francês e postada no fórum de ex-tjs pode ser lida no final deste artigo).

É mais do que provável que os comentários de Lösch sobre a Torre de Vigia sejam um meio de distanciar o Corpo Governante da Torre de Vigia e isolar os membros do Corpo de Governante contra qualquer ação judicial sofrida pela organização.

Embora, na melhor das hipóteses, Lösch troque seis por meia dúzia ao sugerir que só responde ao Corpo Governante, do qual faz parte, na pior das hipóteses, ele está gravemente deturpando seu relacionamento pessoal com a organização, e com as Testemunhas de Jeová em geral.

Agora imagine o que aconteceria a uma Testemunha de Jeová comum que se levantasse diante de um salão de reino lotado e pronunciou as palavras "Eu não respondo à Torre de Vigia", e "A Torre de Vigia não tem, e nunca teve, nenhuma autoridade sobre mim”. Com toda certeza ela seria levada a uma comissão judicativa, e, no entanto, tal indivíduo poderia provar que ele apenas está repetindo as palavras de um membro exemplar do Corpo Governante.

As declarações de Lösch sobre sua relação com a organização são igualmente evasivas e falsas. Embora seja verdade que ele não tem "nenhuma autoridade como indivíduo para fazer ou determinar a política corporativa para a Torre de Vigia", a declaração é redigida de forma a ocultar o fato de que a Lösch tem sim muito poder de decisão sobre a  Torre de Vigia desde que essas decisões sejam tomadas em conjunto com seus colegas membros do Corpo Governante

Tudo considerado, as Testemunhas de Jeová sinceras ficarão consternadas ao verem o que é capaz de fazer um de seus líderes (um membro de sua " mais lata autoridade eclesiástica ") para evitar tomar uma posição em defesa da organização.

Foi Jesus quem, supostamente, disse: "As pessoas os entregarão aos tribunais locais, e vocês serão espancados nas sinagogas, e serão postos diante de governadores e reis, por minha causa, para darem testemunho a eles (Marcos 13:9; Tradução do Novo MUndoi) – e, no entanto, em vez de ocupar o lugar para dar um "testemunho", Lösch fez tudo o que estava ao seu alcance para se distanciar da "organização de Deus" – negando quase qualquer afiliação com a Torre de Vigia.

Está se tornando cada vez mais evidente que, para que uma Testemunha de Jeová respeite os membros do Corpo Governante e lhes dê a reverência que eles desejam, deve conhecer o mínimo possível sobre as palavras e ações deles.


Tradução da declaração de Guerrit Lösch

1) Sou maior de 18 anos, mentalmente são e apto para fazer esta declaração. Eu obtive conhecimento pessoalmente do assunto tratado nas cartas, elas são verdadeiras e exatas.
2) Eu forneço esta declaração para apoiar a moção para a anulação da solicitação da acusação exigindo o testemunho de Gerrit Lösch assim como a notificação adjacente exigindo que o testemunho de Gerrit Lösch seja acompanhado de documentos e de registros requeridos – para as necessidades do processo. 
3) Se eu sou chamado a depor neste processo civil, gostaria de fornecer as seguintes informações relacionadas ao assunto da declaração. 
 4) Eu não sou o destinatário da solicitação de testemunho, mas eu soube que a Torre de Vigia se opôs a esta exigência depois que ela recebeu a notificação do acusador. 
 5) Eu tomei conhecimento que este Tribunal enviou uma ordem obrigando a Torre de Vigia a me mandar depor (ver documento 1, logo a seguir, denominado “Torre de Vigia”), mas eu não tinha recebido uma cópia da ordem do Tribunal. 
 6) Sou membro do Corpo Governante da religião das Testemunhas de Jeová, tendo sido nomeado a este posto em 1º de julho de 1994. Eu não era, portanto, membro do Corpo Governante em 1986, quando o acusador alega ter sido abusado por Gonzalo Campos. 
 7) O Corpo Governante é a autoridade religiosa mais elevada na religião das Testemunhas de Jeová, ele exerce uma vigilância espiritual sobre todas as Testemunhas de Jeová do mundo.  
8) Eu não sou, e jamais fui, um oficial, diretor, representante legal, UM MEMBRO ou um empregado da Torre de Vigia. Eu não dirijo e jamais dirigi, em momento algum, o funcionamento da Torre de Vigia. Eu não dependo da Torre de Vigia. Eu não tenho, e jamais tive, nenhum poder de fazer ou de determinar a política geral da Torre de Vigia ou de qualquer departamento da Torre de Vigia.  

9) A Torre de Vigia não tem e nunca teve nenhum poder sobre mim. 

10) Eu não tenho nenhum conhecimento pessoal dos fatos ou dos eventos concernentes ao assunto do caso citado, porque, entre outras coisas: 
(a) Eu jamais dirigi ou trabalhei para o Departamento Jurídico ou para o Departamento de Serviço.
(b) Eu jamais vivi nos Estados Unidos antes de 1990.
(c) Antes de 1990, eu morava na Áustria.
(d) Eu não conhecia, e eu jamais me encontrei com o querelante, José Lopez.
(e) Eu não conhecia, e eu jamais me encontrei com Leticia Lopez, a mãe do querelante José Lopes.
(f) Eu não conheci, e eu jamais me encontrei com o acusado Gonzalo Campos, que é procurado.  
11) Eu moro no Estado de Nova York, eu vivo e trabalho em Brooklyn, onde se encontra a sede das Testemunhas de Jeová. Eu declaro sob juramento, conformemente às leis do Estado da Califórnia, que tudo o que precede é verdadeiro e correto e que esta declaração foi feita em 4 de fevereiro de 2014. Gerrit Lösch.
---------------------------------------------

(Esta postagem foi traduzida com a ajuda do Google Tradutor)

Gostaria de conhecer melhor as Testemunhas de Jeová?
Então você precisa ler meu livro
Testemunhas de Jeová – o que elas não lhe contam?
Opções de download aqui 

Um comentário:

  1. Não vi nenhuma diferença na litúrgia da Culto e assim podemos chamar entre os Testemunhos de Jeová e a Igreja Cristão Maranata, seguem a rotino de uma pessoas, através de livros ou resvitas leem as mensagem bíblicas, fazem pergusntas para os membros, as respostar estão nos próprios livros, parecendo maid relogiode repetição, sentir a presença da trindade é impossível pois para eles o Senhor Espírito Santo é uma força ativa, esntão onde se encaixa no batismo de Jesus no Rio Jordão onde a voz do Pais disse este é meu filho amado da qual me comprazo e a pessoa do Espírito Santo sobe form de pomba, a muito blá, blá, temos que fazer igual aos irmãos de Beréria vonferir as Sagradas Escrituras, pois meu povo perece por não conhecer as Escrituras e nem o Poder de Deus.

    ResponderExcluir